A filosofia da mente

Name:
Location: Portugal

Sunday, September 11, 2005

Para lá de ti...









Nos subúrbios do pensamento longínquo.
Que a vista não alcança, ilógico e surrealista
Predomina a visão do tempo parado no
Abrir da cortina por onde se avista o horizonte
Como recta final do nosso alcance.

Posted by Marcos Santos

Thursday, September 08, 2005

Atrás de ti










A presença que deslumbre
Manifesta-se em forma de vida
Compulsiva que te observa
Atrozmente na plena placidez
Do oculto

Posted by Marcos Santos

Sunday, September 04, 2005

Sem Piedade

A SAGA











Abate-se sobre o quadro a imagem reflectida na expressão contida de outrora, na espera do amanhecer que desabará sobre a cabeça caída do entardecer que sufocará de sede o triângulo.


Posted by Marcos Santos

O Sorriso da Alma










O olhar que espreita sob o cheiro da rosa, que me inunda a alma de sorrisos selvagens e por detrás de mim corre o pensamento desejado de ter.
Ambicionando sempre a posse; desvaneço-me da presença da constante cobiça do meu estado de sentir, deixando-me ir pela beleza que me corrói. O precioso minuto de silêncio que absorvo incute-me na magnificência do último segundo de respiro.



Posted Marcos Santos

Saturday, September 03, 2005

preso por ter nascido




(image placeholder)

Em redor da minha casa;
Preso pela inocência de ter nascido e pela miséria que me envolve, esta é a minha linda jaula…encontro-me aqui…e tu…esqueceste-te?

Posted by Marcos Santos

olá!


(image placeholder)




olá!...


Enquanto eu conseguir acordar e ver que as paredes de minha casa continuam a ser as paredes do mundo… na pedra onde encosto a cabeça quando a lua desce o pano que transforma no esquecimento do sono tranquilo dos outros que só me vêem por uma janela pequena virada para o mundo que mostra onde caminho e brinco com a lata enferrujada das chuvas e das tempestades de seca que me chupam até ao tutano os líquidos que ainda percorrem em mim e com a sede que tenho de me poder sorrir para o mundo...estou aqui!...

Posted by Marcos Santos

Wednesday, August 31, 2005


Contra-Senso

Num gesto de emoções estendidas que precorrem o sentimento de ocultas reprecurssões lógicas guardadas na algibeira, fechada para com as sensibilidades.

No desgaste das tentações invocadas na alma, presiste egoisticamente na condução implicita de emissores que não se impossibilitam de mostrar a humanização interna, raramente divulgada como forma de incutirem-na levemente sem grandes modificações.

eles andam ai.

Posted by Marcos Santos

http://www.pontodeluz.blogspot.com

Sunday, August 28, 2005

O Intímo

o olhar que descreves nos meus sentidos,

pronuncia a verdade dos teus gestos, numa

paricular confidência de emoções reservadas

na intimidade só partilhada com a noite que te deixa

no espaço onde o silêncio reina e num fechar de olhos

te leva ás conversas mais sensíveis para contigo.

Nesse império de sentimentos, fica por revelar a beleza que

predomina dentro de ti.

posted by Marcos Santos

Saturday, August 27, 2005

Dissimulação


A verdade que escondes por
detrás
do teu olhar faminto de palavras,
que
morrem á sede na tua consciência

morta de vontades, do teu estar presente
cheio de emoções ocultas no teu incrédulo
silêncio.
Os momentos que se atravessam á tua frente,
cheios de propósitos desperdiçados por ti na
amargura de os sentires como ocasiões únicas,
continuamente mudos de acções numa posição
estática do teu corpo hirto, na presença da
oportuna hora de realçares todos os caminhos
que traçaste e não precorreste, infortunados
pela impetuosa emoção de sentir e sonegar as
palavras que hásde revelar.

posted by Marcos Santos

Antes de...








A mistura que se abate nas formas ousadas
que as mãos desenham no quadro branco
de tinta sobre o pensamento que fará
desdenhar num traço sobre a largura do
braço que cairá no sorriso escondido por
detrás do tripé que encobre o momento
de magia.
A ponta dos dedos que segura o pincel
com a leveza e emoção que transporta
dentro de si escarrapachada na tela que
segura e imagem do interior desconhecido.
O fim inconclusivo invade o cerebro na
deturpação da imagem que abate a sombra
que se esconde por detrás dele.
posted by Marcos Santos

Zás...








Zás!...o movimento parou no ar,
tudo ficou suspenso; zás...
o mundo está inerte, a preplexidade tomou
conta da hora que ficou parada! Nada se mexe.
O vento deixou de respirar; o pássaro ficou com
o bico aberto num assobio continuo sem parar,
perdeu o ar. Morreu! Zás....Os passos ficaram
por dar, um minuto se perdeu, a morte ficou por
morrer, zás...o movimento se deu,
tudo voltou a ter vida, tudo voltou a morrer.
Zás!...

posted by Marcos Santos

Luminosidade

julgo perceber a verdade que me ocorre na alma,
na construção daquilo em que acredito, como
bases que sustentam toda a essência do ser, na
procura sempre e constante do saber como
enriquecimento do eu e na posterior evolução
do estado interior.
Relacionado com o mundo de uma forma congénita,
num abraço de unificação inter pessoal onde engloba
toda a sua imensa estrutura da intocável percepção
só sua no centro de si. A paz predominante que reina
no estável equilibrio das emoções concentradas no
núcleo que gere o sorriso incansável da luz inacessivel
a alguns, que ainda não alcançaram a verdade de si.

posted by Marcos Santos